You are currently browsing the category archive for the ‘Pásion’ category.

Coração acelerado,
Ouvindo gritos da torcida,
Rumo ao gol da comemoração,
Instante de silêncio,
Nem a trava segurou,
Toda torcida vibrando,
Hoje e eternamente o Timão,
Imponente vencedor,
Algoz e sonhador,
Nosso Time, Nossa Vida,
Sou um fiel torcedor!

Parabéns Time Amado, pelos 100 anos de Glória, Conquista, e ETERNA VITÓRIA!

“Salve o Corinthians,
O campeão dos campeões,
Eternamente, dentro dos nossos corações…”

Anúncios

Sonhos rompem,
Perdem suas barreiras,
E se afundam na dor,

Invade a desilusão,
De saber que se acaba,
Sem nexo e contexto,

Um chamado amor,
Tão triste e sofrido,
Que terminou dolorido,

Pelo tempo perdido,
De tentar esperar,
O não resolvido,

Hoje afirmo,
Vivo só e desiludido,
Há beira do abismo,

De viver sem saber,
De sofrer e se perder,
De amar e morrer…

Conheço-te,
Como a sombra do mar,
Que esconde a verdade,

Vejo a ti,
Como a sombra do destino,
Que esconde o futuro,

Espero-te,
Como a sombra do caminho,
Que esconde o medo,

E quero a ti,
Como a sombra do amor,
Que esconde a saudade…

Fui assaltada, em plena razão,
Roubaram o meu pobre coração,

O destino rompeu o sentido,
Desesperado seguiu um caminho,

Não sabia para onde ir,
E muito menos o que fazer,

Perdido e com medo ficou,
O que faria agora, perguntou,

Sugeriam que mesmo assim,
Continuasse a seguir a vida,

Que um dia o futuro explicaria,
Mesmo que quando roubado,

E ainda que não mais sendo seu,
Quem levou deverá saber cuidar…

Madalena por aqui passou,
Deixou João a esperar,
E a saudade imperar…
Sendo que Maria bem tentou,
Consolá-lo da solidão,
Que amargava seu coração,
Mas, nada adiantou…

E Madalena seguia,
Para encontrar seu amor, Mathias,
Que longe se escondia,
Tão malando que era,
E a pobre por ele encantava,
Mas, só peripécias aprontava…

E não é que mesmo sendo assim,
Mathias se apaixonou por Maria,
Porque via o quanto ela sofria,
Pelo cego do João,
Tanta dó que lhe tomou,
Que nem seu coração agüentou…

Madalena que amava Mathias,
Mathias que amava Maria,
Maria que amava João,
E João que amava Madalena…

 “Sede de amor, febre de anseio…”

Eu sou um x do bucolismo,
Inundado de paixão,
Tão perdido na solidão,
Que só respira por amor,
E vive de ilusão sonhadora,
Perdida e longe da dor,
 
Só entendo o inconsciente,
De não cansar de sonhar,
Reflito a tristeza,
Nos momentos supérfluos,
Quando sozinho na realidade,
 
Não espero o amanhã,
Tão longe se encontra,
E a febre da esperança se perderia,
Vivo um hoje de tão profundo,
Que ainda não encontrou,
O caminho para seguir,
Sem ser o de amar….

 

Pensamento voa longe,
Quando se diz amor,
Cruza horizontes,
Que nem barreiras seguram,
Se faz do límpido,
O certo sentido da vida,
 
Remove montanhas,
Muda destino,
Invade o infinito,
Toma posse dos momentos,
Cria a verdade do dia,
E faz o coração seguir,
 
Calmo, sereno, tranqüilo,
Confiante no futuro,
Que é um hoje bem vivido,
Segue feliz o seu rumo,
De crescer com esperança,
A semente bem plantada… 

Já devo ter escrito muito ao som de “Fly me to the moon…”, mas, o que posso fazer, se ela sempre estará nas inspirações… com Sinatra, e o coração…

 

Voe comigo ao longe,

Em busca de um paraíso,

Que estará no infinito,

Esperando nossa chegada,

 

Vamos sem fronteiras,

Superar barreiras.

De um trajeto,

Que aliou minha´lma a sua,

 

Em outras maneiras,

Esquecer o impossível,

Vencer o medo do agora,

E já viver no amanhã,

 

Nada mais nos aquieta,

Com tanto calor de amor,

Só resta o caminho seguir,

E um destino construir…

 

 

“A paixão é a maquiagem dos defeitos da alma.” André Koloszwa

 

Quando li essa frase, de primeiro não gostei, depois entendi de várias formas, então resolvi em poesia justificar uma…

 

A paixão esconde medo,

Mostra a vontade do infinito,

Tira todos os defeitos,

E enfeita os caminhos,

 

Ela mostra sua bandeira,

Enfeitada de alegria,

Decorada com calor,

 

Entra por todas as portas,

Se espalha nas emoções,

Toma conta dos dias,

E tira o sono das noites,

 

Simples e tenta ser perfeita,

Pois não encontra diferença,

Em raça, cor ou inocência…

Dizer da saudade,

O tempo que foi,

E a lembrança que ficou,

 

Dizer do momento,

Um agora do instante,

Que passa como vento,

 

Dizer do amanha,

Difícil de entender,

Tão longe se encontra,

 

Dizer do amor,

Quando concreto,

Não e dito, apenas vivido…

 

“Coisas que eu nem sei contar…”