Como dizem a fila anda, e eu reforço, o ônibus circula!!! Às vezes como é duro ser poeta, e ainda fingidor… tempo para pensar não ajuda, só destrambelha….
 
Querer entender o amor,
Um verbo simples de conjugar,
Com aquele nome amar,
Quatro letras que dizem muito,
E ainda um sentimento,
Sem nenhum sentido…
 
Mesmo quando achamos,
Fácil de praticar,
Não reparamos a conjugação,
Se é o eu amo, nós amamos,
Ou até mesmo passado,
Eu amei…
 
Aqui o quem cala não consente!
Porque não entende o que sente,
E nem imagina o verbo praticado,
Nas entre linhas da vida,
Com os vai e vens do destino…
 
O resultado da operação amar,
Seria talvez o futuro mostrar,
Mas qual a real situação,
Que isso tudo poderá levar?

“Amo tanto de tanto amar em Manágua temos um “chico”…”

Anúncios