A insanidade de uma realidade,

Tão ausente da verdade,

E imune da esperança,

Que não encaixa e desata,

 

Impera a glória de um talvez,

Onde mora a incerteza,

Lembrar um amanhã,

Do que resta de um hoje,

 

Pergunta a sutil bondade,

Existe chance para a coragem?

Reflete, refira, busca,

Mas, fica o silêncio,

Sem saber se vai dar…

Anúncios