Sim, não mostro, mas, intrigo, não aceito e muitas vezes não replico, Como sempre digo, a momentos que nem Freud explica…

Somos todos dependentes,
Uns dos outros,

Quase sempre do tempo,

Dos encalços e entrelaços,

Muitas vezes dos dias,

E como ele passa rápido.

 
E o porque, querem saber,

Pois assim é mais fácil viver,

Alguém que mande em nós,

Nos nossos momentos,

Não precisamos pensar,

E nem ao menos agilizar,

 
É como quando se morre,

Alguém para nos vestir,

Os conhecidos para velar,

Até na ultima hora,

No desfecho final,

Precisa de alguém para terminar!

 
Mas, o que aproveitamos,

Como disse na morte,

Nada, pois nada resta,

Assim como não termos vida,

E sim, dependência,

Para pensar, respirar, fazer,

 
Entendam que quando se quer,

Tudo se consegue,

Porém, existem necessidades,

A de querer, agir e refletir,

Daí então irá saber,

Se vai depender ou vencer! 

Anúncios